16
Mar 09

Chocolate, da escritora Joanne Harris, é um romance de sabores, de odores doces lentamente degustados, quase de gula. Nele, encontramo-nos perante o secular combate entre a luz e as trevas. Só que de uma maneira pouco comum, pois desta vez as trevas são personificadas por um jovem padre intolerante, na sua soturna batina, e a luz por uma encantadora bruxa boa dos nossos dias.

Esta é uma espécie de história de encantar da idade moderna, mas com as personagens trocadas. E, assim, temos como pólos opostos deste lindíssimo romance: a magia e o fanatismo. A alegria de viver e a perversidade, sendo o seu clima uma deliciosa mistura de licores, de cremes e de açúcares: dos coelhinhos de maçapão aos folhados, dos rebuçados aos caramelos, ao chocolate a fumegar nas chávenas.

Mas este texto, que se lê de um fôlego, difere ainda na imagem quase subversiva como nos é mostrado o relacionamento mãe/filha, numa amálgama de afectos intensos, raríssimos e autênticos. Joanne Harris conta neste seu romance a história pouco comum de Vianne Rocher, mãe solteira, e da sua pequena filha Anouk, que vão percorrendo o mundo, deixando atrás de si um rasto de felicidade, tal como anteriormente acontecera com a sua mãe e ela própria. Ambas enfrentam, com os seus poderes, a sua inteligência e prazer de viver, aqueles que têm na tirania e na crueldade a sua melhor arma.

E, nessa luta, são implacáveis e hábeis; entre a repugnância e o fascínio; entre a perturbação e a raiva. Dissimuladamente. Vianne tem a arte de transformar o azar em sorte. Aliando a coragem ao gosto pelo desafio, sensualidade e um carácter forte. Dos seus lábios e dedos partem o sorriso, a ajuda e os doces. E é na descrição, na construção de tudo isto, que Joanne se supera. E por isso dá tanto gosto ler Chocolate: um livro-outro, luxuriante, que apetece ler. Mas que, igualmente, apetece quase… comer.

 

Artigo da autoria de Maria Teresa Horta, publicado no Diário de Notícias, no dia 15 de Agosto de 1999.

publicado por Rita Mello às 12:41

comentário:
Peço desculpa por vir ocupar um espaço que é seu, com um assunto que não tem nada a ver com o teor do “post”, mas garanto que é por uma boa causa: a DEFESA DA CULTURA POPULAR. Permita-me que aqui publicite os VII JOGOS FLORAIS DE AVIS, cujo regulamento se encontra disponível em www.aca.com.sapo.pt e cujas dúvidas podem ser esclarecidas pelo 969015106.
Grato pela amabilidade, queira receber saudações culturais do
Fernando Máximo/Avis
Amigos do concelho de Aviz a 17 de Março de 2009 às 07:03

pesquisar neste blog
 
links
Leitores
blogs SAPO