23
Set 10

 

 

Regressei depois de uma ausência de dez anos, num dia quente de fins de Agosto, na véspera das primeiras marés perigosas de Verão. Dez anos, quase metade da minha vida, desvaneciam-se com um simples movimento, como palavras escritas na areia.

 

Após a morte da mãe, a jovem Mado decide abandonar Paris e regressar à sua ilha natal. Porém, a pequena comunidade está em risco e os seus habitantes parecem ter perdido a esperança. O regresso ao passado não é fácil. A ilha, constantemente varrida por um vento inclemente, encerra mistérios e contradições inacessíveis a uma forasteira. Mas, estranhamente, este clima de suspeição não afecta Flynn, um recém-chegado que é alvo da afeição e da confiança de todos, até do austero pai de Mado.

Face a uma comunidade fechada, supersticiosa e apostada em manter acesos ódios ancestrais, ela decide desafiar a sorte e as marés e consegue vencer o orgulho e as crenças da comunidade. Juntos, vão tentar mudar o futuro da ilha e o seu próprio destino. Para Mado, esta vai ser uma incursão no amor e o (re)encontro com os valores familiares e comunitários.

Mas… poderá um castelo de areia sobreviver às marés?

Inspirado na ilha onde Joanne Harris passava as suas férias de infância, A Praia Roubada transporta-nos de imediato para a nossa própria infância. Uma viagem emocional pelos prazeres, paisagens e aromas da vida à beira-mar.

publicado por Rita Mello às 11:55

posts recentes

A PRAIA ROUBADA

pesquisar neste blog
 
links
Leitores
blogs SAPO